Desde de sua implantação no país o contrato intermitente passou por algumas mudanças, isso porque, diversas Medidas Provisórias que regularizavam inúmeros pontos perderam a validade. Por isso, há dúvidas sobre qual é a legislação do trabalho intermitente oficial.

Apesar de tantas alterações, existe um pilar que embasa todo o contrato de trabalho intermitente e direciona o empregador. Continue por aqui e saiba sobre a legislação intermitente e as demais regras que o permeia.

 Legislação do Trabalho Intermitente

Qual é a legislação do trabalho intermitente?

O trabalho intermitente foi implantado no Brasil, por meio da Reforma Trabalhista aprovada em 2017, logo a legislação que rege o contrato intermitente é o texto da reforma.

No texto, é possível encontrar as principais regras de registro do trabalhador, contrato, convocação entre outros. A seguir lei o texto na integra:

“Art. 452-A. O contrato de trabalho intermitente deve ser celebrado por escrito e deve conter especificamente o valor da hora de trabalho, que não pode ser inferior ao valor horário do salário mínimo ou àquele devido aos demais empregados do estabelecimento que exerçam a mesma função em contrato intermitente ou não.

§ 1º O empregador convocará, por qualquer meio de comunicação eficaz, para a prestação de serviços, informando qual será a jornada, com, pelo menos, três dias corridos de antecedência.

§ 2º Recebida a convocação, o empregado terá o prazo de um dia útil para responder ao chamado, presumindo-se, no silêncio, a recusa.

§ 3º A recusa da oferta não descaracteriza a subordinação para fins do contrato de trabalho intermitente.

§ 4º Aceita a oferta para o comparecimento ao trabalho, a parte que descumprir, sem justo motivo, pagará à outra parte, no prazo de trinta dias, multa de 50% (cinquenta por cento) da remuneração que seria devida, permitida a compensação em igual prazo.

§ 5º O período de inatividade não será considerado tempo à disposição do empregador, podendo o trabalhador prestar serviços a outros contratantes.

§ 6º Ao final de cada período de prestação de serviço, o empregado receberá o pagamento imediato das seguintes parcelas:

I – remuneração;

II – férias proporcionais com acréscimo de um terço;

III – décimo terceiro salário proporcional;

IV – repouso semanal remunerado; e

V – adicionais legais.

§ 7º O recibo de pagamento deverá conter a discriminação dos valores pagos relativos a cada uma das parcelas referidas no § 6º deste artigo.

§ 8º O empregador efetuará o recolhimento da contribuição previdenciária e o depósito do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, na forma da lei, com base nos valores pagos no período mensal e fornecerá ao empregado comprovante do cumprimento dessas obrigações.

§ 9º A cada doze meses, o empregado adquire direito a usufruir, nos doze meses subsequentes, um mês de férias, período no qual não poderá ser convocado para prestar serviços pelo mesmo empregador.”

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

Existem outras legislações sobre o trabalho intermitente?

Sim, como podemos ver no texto na Reforma Trabalhista existem algumas lacunas em relação a diversos temas. Por isso, alguns textos complementares foram aprovados.

Assim como, a Portaria n° 349 do Ministério do Trabalho, que detalha pontos sobre a rescisão intermitente:

Art. 5º As verbas rescisórias e o aviso prévio serão calculados com base na média dos valores recebidos pelo empregado no curso do contrato de trabalho intermitente.

Parágrafo único. No cálculo da média a que se refere o caput, serão considerados apenas os meses durante os quais o empregado tenha recebido parcelas remuneratórias no intervalo dos últimos doze meses ou o período de vigência do contrato de trabalho intermitente, se este for inferior.

A mesma Portaria ainda complementa sobre o recolhimento previdenciário do trabalhador intermitente:

Art. 6º No contrato de trabalho intermitente, o empregador efetuará o recolhimento das contribuições previdenciárias próprias e do empregado e o depósito do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço com base nos valores pagos no período mensal e fornecerá ao empregado comprovante do cumprimento dessas obrigações.

Art. 7º As empresas anotarão na Carteira de Trabalho e Previdência Social de seus empregados o salário fixo e a média dos valores das gorjetas referente aos últimos doze meses.

Desde sua implantação até agora, estas são as principais diretrizes que regem o contrato de trabalho intermitente, sendo por meio delas que o empregador deve se basear e levar a relação empregatícia.

Como fazer a gestão intermitente com segurança e tecnologia?

Como vimos até aqui, o contrato intermitente é cheio determinações legais e obviamente é necessário segui-las a risca, afinal, só assim é possível manter uma relação empregatícia saudável e dentro da lei.

Para isso, a sua empresa pode contar com a única plataforma do mercado voltado para o trabalho intermitente a TIO Digital. Nosso serviço oferece desde a convocação do trabalhador até o registro de ponto por reconhecimento facial.

Faça a gestão intermitente ser tecnológica, simples e segura. Teste a plataforma TIO Digital comprove sua eficácia.

Minuta de Contrato de Trabalho Intermitente

Kezia Amaro

Produtora de conteúdo no blog TIO Digital. Acadêmica em Publicidade e Propaganda pela Uninove. Especialista em CRO, SEO, Produção de Conteúdo, Blogs Corporativos, Custumer Sucess e E-mail Marketing pela Rock Content.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *